VIAGEM INFINITA

A exposição VIAGEM INFINITA do Museu da Imagem e do Som do Paraná – MIS-PR é dedicada às mulheres; melhor dito ao feminino em sentido amplo. Foi concebida com a utilização de imagens das coleções iconográficas da instituição em diálogo com textos literários de poetas, escritoras e pensadoras; visando mais do que homenagear, provocar o olhar para as muitas memórias da vida. 

Mulheres

 

Poemar olhares

 

Viajante no transporte de safra no Paraná
Viajante no transporte de safra no Paraná (Coleção Iconografias)

 

VIAGEM INFINITA


EXPOSIÇÃO VIRTUAL DO MIS/PR, A PARTIR DE IMAGENS DO ACERVO, PARA AS MULHERES. 


Concepção
Vânia Machado
José Luiz de Carvalho

Curadoria
José Luiz de Carvalho
Vânia Machado
Cicely Salamunes
Raianne da Luz Vaz
Anelissa Furtado Rodrigues

 

 

 

Estou sempre em viagem
O mundo é paisagem
Que me atinge
De passagem.

                Helena Kolody
 

 

 

 

 

 

 

Mulheres e Menina Bordando
Mulheres e menina bordando (Coleção Guilherme Glück)

Abri curiosa
o céu.
Assim, afastando de leve as cortinas.
Eu queria entrar,
coração ante coração,
inteiriça
ou pelo menos mover-me um pouco,
com aquela parcimônia que caracterizava
as agitações me chamando
Eu queria até mesmo
saber ver,
e num movimento redondo
como as ondas
que me circundavam, invisíveis,
abraçar com as retinas
cada pedacinho de matéria viva.
Eu queria
(só)
perceber o invislumbrável
no levíssimo que sobrevoava.
Eu queria
apanhar uma braçada
do infinito em luz que a mim se misturava.
Eu queria
captar o impercebido
nos momentos mínimos do espaço
nu e cheio
Eu queria
ao menos manter descerradas as cortinas
na impossibilidade de tangê-las
Eu não sabia
que virar pelo avesso
era uma experiência mortal.

Fagulhas, Ana Cristina César

 

mulher e seus desdobramentos

 

 

 

 

 

Porque é vasto o coração da mulher, eu sei
- E este mínimo posso dizer -  
Que ainda que esse vasto coração
Possa me ferir também
Mesmo assim, dona de mim mesmo,
Insisto tornar-me o que sou.

S/ título, Emily Dickinson
 

Professora e alunas em sala de aula
Professora e alunas em sala de aula (Coleção Guilherme Glück)

 

Mulheres nós

 

 

 

 

Neste tormento inútil, neste empenho
De tornar em silêncio o que em mim canta,
Sobem-me roucos brados à garganta
Num clamor de loucura que contenho.

Ó alma da charneca sacrossanta,
Irmã da alma rútila que eu tenho,
Dize para onde eu vou, donde é que venho
Nesta dor que me exalta e me alevanta!

Visões de mundos novos, de infinitos,
Cadências de soluços e de gritos,
Fogueira a esbrasear que me consome!

Dize que mão é esta que me arrasta?
Nódoa de sangue que palpita e alastra...
Dize de que é que eu tenho sede e fome?!

Interrogação, Florbela Espanca

Poeta Helena Kolody (1912 - 2004) autografando
Poeta Helena Kolody (1912 - 2004) autografando suas obras (Coleção Iconografias)

 

 

 

 

 

Interrogações!!!!

 

Camponesa
Camponesa (Coleção Diapositivos / Slides)

Quem se deleita em tornar minha vida impossível
Por todos os lados?
Certamente estás rindo de longe,
Ó encoberto adversário!

Mas a minha paciência é mais firme
Que todas as sanhas da sorte:
Mais longa que a vida, mais clara
Que a luz no horizonte.

Passeio no gume de estradas tão graves
Que afligem o próprio inimigo.
A mim, que me importam espécies de instantes,
Se existo infinita?

Inscrição, Cecília Meireles

 

 

sacerdotisas no templos das musas
Sacerdotisas no templo das musas (Coleção Dario Vellozo)

 

Um dia 
Uma cigana
De olhos inquietos
Indiscretos
Bateu na minha porta e leu a minha mão.
Disse-me então,
Que depois dessa aurora em que vivia,
Viria
Um sonho lindo, um sonho tentador
Que escondia tristeza e amargor...

E esta mulher que andou em terras diferentes,
Da mentira espalhando suas sementes
Nunca mais voltou...
Quisera que voltasse e me vendesse 
Mais um pouquinho de ilusão...
Volta, cigana de olhos inquietos
Indiscretos
Ler a felicidade em minha mão. 

Buena-dicha, Laura Santos

 

Maria Bueno Peça Teatral
Maria Bueno em peça teatral (Coleção Diapositivos / Slides)

 

Mulheres que...

 

Sonham

 

Semeiam

 

Prosperam

 


Odelair Rodrigues (1935-2003)
A grande atriz paranaense foi uma das pioneiras da televisão; tendo começado no rádio. Amiga de Ary Fontoura, trabalharam juntos ainda no radioteatro na antiga Radio Clube Paranaense de Curitiba. Cursou artes cênicas no Colégio Estadual do Paraná e uma das primeiras peças em que atuou foi “Sinhá Moça Chorou”, 1952. Fez parte do pioneiro elenco de atrizes e atores da então TV Paraná, Canal 6. Na televisão, entre outros trabalhos, atuou em O Direito de Nascer, 1964, e Escrava Isaura, 1976. Atuou também no cinema, como em “Lance Maior”, filme do cineasta Sylvio Back, 1968. 

 

 

 

Intercessão
Intercessão (Coleção Palácio Iguaçu)

Nunca arreguei
Quando tropecei sempre me ergui
Já quebrei a cara
Enfrentei as feras, nunca me rendi.

Tenho proteção
E meu coração sempre a me guiar
Cada ocasião pede uma oração
Para confortar
Se vem de não eu vou de sim
Afirmação até o fim.

Não descarrega sua arma em mim
A sua raiva não vai me abater
Você é não sou um milhão de sins
Tenho meu povo pra me proteger.

Não descarrega sua raiva em mim
A sua arma não vai me abater
Você é não sou um milhão de sins
Tenho meu povo pra me proteger.

Fui forjada no não, virei o jogo
Sua destruição não me enfraquece
Cara feia pra mim me fortalece
Sua frieza é menor que o meu fogo.

Se vem de não eu vou de sim
Afirmação até o fim.

Virei o jogo, Elza Soares e Pedro Luís

 

 

 

 

Uma menina saudável, 
Com o nome a definir, 
Vovó a chamou Auritha, 
Mas, quando foi traduzir, 
Um ancestral lhe contou 
“Aryrey” está a vir”; 
Mas, para se registrar, 
Seguiu a modernidade 
Com o nome de Francisca, 
Pois, para a sociedade, 
Fêmea tem nome de santa 
Padroeira da cidade.

Coração na aldeia pés no mundo, Auritha Tabajara
 

Interferência
Interferência (Coleção Iconografias)

 

Memórias de uma moça bem comportada

Êxtase

Um teto todo seu

 

Ato político da década de 1980
Ato Político da Década de 1980 (Coleção Diapositivos / Slides)

[...] Não desanimei, entretanto; o futuro me parecia subitamente mais difícil do que
imaginara, mas era também mais real e mais seguro; em vez de informes
possibilidades, via abrir-se à minha frente um campo claramente definido, com
seus problemas, tarefas, materiais, instrumentos e resistências. Não indaguei
mais a mim mesma: o que fazer? Havia tudo por fazer; tudo o que outrora
desejara fazer: combater o erro, achar a verdade, dizê-la, esclarecer o mundo,
talvez ajudar a mudá-lo. Precisaria de tempo, de esforços para cumprir uma
parte que fosse das promessas que me fizera: mas isso não me assustava. Nada
estava ganho: tudo permanecia possível. [...]

Memórias de uma moça bem comportada, Simone de Beauvoir

 

Gilda de Curitiba
Gilda de Curitiba (Macaxeira)

 

 

 

 

 

 

 

 

[...] O que pode alguém fazer quando... virando a esquina de repente é tomado por um sentimento de absoluta felicidade — felicidade absoluta! — como se tivesse engolido um brilhante pedaço daquele sol da tardinha e ele estivesse queimando o peito, irradiando um pequeno chuveiro de chispas para dentro de cada partícula do corpo, para cada ponta de dedo?

Não há meio de expressar isso sem parecer "bêbado e desvairado”? Ah! Como a civilização é idiota! Para que termos um corpo, se somos obrigados a mantê-lo encerrado em uma caixa, como se fosse um violino raro, muito raro? [...]

Êxtase, Katherine Mansfield

 

Olhar
Olhar (Coleção Diapositivos / Slides)

 

 

[...] Para que se sintam superiores, os homens precisariam de espelhos que aumentassem suas dimensões ao menos com o dobro de seu tamanho natural. É claro que esses espelhos são as mulheres. Mas é justamente sua inferioridade, sua atuação como reflexos obedientes, que causa raiva no sujeito espelhado. O espelho é inferior, e se assim não for considerado vai deixar de cumprir sua função especular. [...] As mulheres têm servido há séculos como espelhos, com poderes mágicos e deliciosos de refletir a figura do homem com o dobro do tamanho
natural. [...] Pois se ela resolver falar a verdade, a figura refletida no espelho
encolherá; sua disposição para a vida diminuirá. [...]

Um teto todo seu, Virginia Woolf

 

Expo Viagem Infinita

Créditos

POEMAS

Helena Kolody, Viagem infinita
Ana Cristina César, Fagulhas
Emily Dickinson, S/ título
Florbela Espanca, Interrogação
Cecília Meireles, Inscrição
Laura Santos, Buena-dicha
Elza Soares e Pedro Luiz, Virei o jogo
Auritha Tabajara, Coração na aldeia pés no mundo
Simone de Beauvoir, Memórias de uma moça bem comportada
Katherine Mansfield, Êxtase
Virginia Woolf, Um teto todo seu

VÍDEO
Entrevista, Odelair Rodrigues

CONCEPÇÃO 
Vânia Machado
José Luiz de Carvalho

CURADORIA
José Luiz de Carvalho
Vânia Machado
Cicely Salamunes
Raianne da Luz Vaz
Anelissa Furtado Rodrigues

MIS-PR

Diretora
Mirele Camargo

Governador do Paraná
Carlos Massa Ratinho Júnior

Secretário de Estado da Comunicação
João Evaristo Debiasi

Diretor-Geral da SECC
Diego de Oliveira Nogueira

Superintendente-geral da Cultura
Luciana Casagrande Pereira

Coordenador do Sistema Estadual de Museus
Jorge Fam Neto

Assessoria de Comunicação | SECC
Dani Brito

Assessoria de Design | SECC
Rita Solieri Brandt